11.10.06
Artistas de Circo
O tapping é uma técnica de guitarra que consiste na utilização da ponta dos dedos para, com movimentos rápidos e firmes, pressionar as cordas de modo a obter som. Nos anos 80, era uma daquelas coisas que todos os guitarristas faziam. Estava na moda e era uma técnica inovadora, usando-se o braço da guitarra como se de um teclado se tratasse. O rei era Eddie Van Halen, mas há ainda a considerar o inacreditável Steve Vai, o Prof. Joe Satriani e o "Neo-clássico" Ingwie Malmsteen, entre outros.
Nos anos 90, seguindo a tendência de tudo o resto, o tapping era visto ora como parolo, ora como azeiteiro, ou simplesmente not cool. Na música, era entendível: os Nirvana e os que se lhes seguiram tinham assassinado o hard-rock, heavy metal e derivados, mandando aqueles cabelos "à foda-se" para o Inferno.
Com o repescar dos anos 80 em toda a linha, começam a aparecer por aí uns artistas que ressuscitaram a técnica do tapping, com resultados curiosos.
Este, aqui em baixo, chama-se Adam Fulara, e podem vê-lo a tocar a 1.ª das Variações Goldberg, de J.S. Bach, no Ternura Porno. Aqui, ele dedica-se também a Bach, tocando o Prelúdio do Prelúdio e Fuga n.º 3 em dó sustenido maior do Primeiro Livro do Cravo Bem Temperado, BWV 848 (com a devida vénia ao sempre iluminado Incontinental - ver caixa de comentários!).


Apesar das caretas que ele vai fazendo durante o vídeo, não lhe conheço nenhum tipo de doença... Devia estar com muita vontade de ir ao WC. É. Deve ter sido isso!
Mas há mais!!! Há ainda a considerar um puto "chinoca" com a graça de Zack Kim, que pulula pelo You Tube, ora tocando Bach e Beethoven, ora tocando o tema do Super Mario Bros. Um exemplo está aqui. Enquanto que o Fulara parece um gajo mais sério no que faz, este Zack Kim cheira-me apenas a artista de circo adolescente - e o facto de ser chinoca só me faz a crença mais forte...
Num registo completamente diferente e com resultados bem mais interessantes, o Sombra também nos dá a conhecer aqui Kaki King.
É só magos e artistas de circo...

Etiquetas: , ,

 
Olavo Lüpia, 11.10.06 | Referências |


4 Comments:


  • At 11 outubro, 2006 22:17, Anonymous o Irmão do Meio

    “Tá caladito.
    Qui éé….”


    São realmente uns tocadores de guitarra, muito circenses.
    ....e feios.......
    muito , muito feios....

    “Medo!!!”

    No rol de tocadores manhosos, arranjas-te do melhor.


    Ok, a miúda, kaki king, ainda escapa, com o piercing na língua,
    com movimentos lascivos.


    PS: Gostei dos TVOTR.
    É uma boa surpresa, quase tão boa como quando ouvi os
    Clap your hands and say yeah…..ou lá o k é....enfim, cenas.

    Um abraço.

     
  • At 11 outubro, 2006 23:49, Blogger Olavo Lüpia

    Ai é mesmo o (meu) Irmão do Meio?!!!! O maior rocker da história da Vila! Pois, o nick é que me enganava... porque não era nick!
    Muito grande!
    Sejas muito benvindo e que gostes das palermices que aqui vou escrevendo.
    Um beijo enorme, Big Brother!
    (A Gerência pede desculpa por este momento "Caras Lindas". O blog - muito macho - segue já a seguir)

     
  • At 13 outubro, 2006 00:45, Anonymous nlj

    Um "piqueno" apontamento marrão para precisar que a obra em causa é o Prelúdio do "Prelúdio e Fuga n.º 3 em dó sustenido maior" do Primeiro Livro do Cravo Bem Temperado.

    Agora vou pôr outra vez os óculos de fundo de garrafa e organizar arquivos.

     
  • At 13 outubro, 2006 16:43, Blogger Olavo Lüpia

    Eu já sabia que tu ias corrigir! De facto, só me aparecia a obra pelo número.
    Ai... O que não vale ter amigos assim!
    Com a tua permissão, vou já repôr a verdade, excelência!