4.11.09
Posts que não vão mudar a vossa vida

Só quem nunca ouviu - ou seja muito 'agreste' dos ouvidos - não se apercebeu que Nick Drake era um compositor de excepção.
Talvez não tão óbvio (e para não se perder de todo o fio do post anterior) é o facto de ter sido um guitarrista fabuloso.

Desde logo, foi um rapaz que muito explorou as diferentes afinações da guitarra, em especial nas denominadas 'afinações abertas' (traduzido do inglês 'open tunnings'), que são, no fundo - e para quem só pegou numa guitarra para bater na cabeça de um transeunte incauto -, aquelas que permitem a obtenção de um acorde sem o uso da mão esquerda, isto é, só com os golpes nas cordas por intervenção da mão direita(*). 'Aberta', lá está.

Mas não era apenas isso. Bem mais. 'O meu reino e um cavalo pela mão direita do homem' é o que me vem à cabeça dizer (**). Pense-se que o que Nick Drake está a fazer na guitarra é, já de si, difícil. Depois, reflicta-se(***) que essa coisa difícil é acompanhada pela voz do próprio.
Pois! Quando pensamos nestes elementos em simultâneo, a coisa fica tão linear como uma litografia de M.C. Escher...

Na 'demo' que colocamos abaixo - e que faz parte, juntamente com outro material de Drake raro, prévio ao disco de estreia de 1969 e não editado, do disco "Family Tree" (2007) -, é notória a dificuldade do nosso herói em tocar e cantar uma das suas excelentes composições, tanto que o homem se engana e até o ouvimos rir disso, no meio da gravação. Mas, incontornavelmente, herói que é herói recompõe-se e leva a tarefa até ao fim. Antes de o dia acabar.

Day Is Done (demo) - Nick Drake

____________________
(*) partindo do pressuposto que o guitarrista é destro, claro.
(**) eu não penso muito no que estou a escrever; e não me vem muita coisa à cabeça; e, quando vem, cerca de 90% é lixo... quer dizer, este tasco é de borla, sim?
(***) como sei que gostam bastante de reflectir, meti uma forma verbal reflexa no verbo reflectir, de modo a poderem reflectir enquanto reflectem.

Etiquetas:

 
Olavo Lüpia, 4.11.09 | Referências |


7 Comments:


  • At 04 novembro, 2009 12:43, Blogger Sara

    Muito bom!

     
  • At 04 novembro, 2009 15:59, OpenID gilvas

    "herói" é um termo excelente para designar uma pessoa mágica como nick drake.

     
  • At 04 novembro, 2009 21:23, Blogger M.A.

    Intocável ao ponto de resistir ao plágio descarado de coisas como uns tais de Hands on Aproach (ainda alguém se lembra?).

     
  • At 05 novembro, 2009 02:58, Blogger Olavo Lüpia

    espera. estarás a falar, porventura, do Know?!
    eheheheh! nunca as tinha juntado. muito bom!

     
  • At 07 novembro, 2009 00:12, Anonymous Anónimo

    Reflecte,reflecte... é conveniente reflectir.Não deixes de o fazer.(sorri).

     
  • At 08 novembro, 2009 22:00, Blogger M.A.

    Precisamente! Pelos vistos, nestas coisas do plágio, o David Fonseca não é pioneiro por cá...

     
  • At 08 novembro, 2009 23:32, Blogger Olavo Lüpia

    Por acaso, ainda só tinha juntado essa dos Hands On Approach ao Blister In The Sun dos Violent Femmes.

    Agora, já essa do David Fonseca ao 'Por una Cabeza' do Carlos Gardel está muito bem apanhada.
    Mas, se não te ficares apenas pelas primeiras frases musicais e apanhares o final da melodia, verás que está lá o 'Aquela janela virada pró mar' do Tristão da Silva.

    Isto para não falar da frase dos violinos do refrão do 'OK, So You Want SOmething Simple?' dos The Gift, que é o decalque da frase cantada pelo Bowie «I'm happy, hope you're happy too» do 'Ashes to Ashes'.
    E isto são só aquelas que me lembrei agora.